Mais produções e coproduções brasileiras estão confirmadas no Festival de Cannes 2021. Além de Karim Aïnouz participar da seleção oficial com O Marinheiro das Montanhas, Anita Rocha da Silveira leva seu novo longa-metragem Medusa para a Quinzena dos Realizadores, seleção independente do Festival de Cannes que acontece desde 1969. O evento será realizado de 7 a 17 de julho em formato presencial.

Medusa começou a ser produzido em 2017 e participou de dois laboratórios internacionais, na Berlinale Talents, na Alemanha, e no Torino Film Lab, na Itália. O filme toma como premissa a história mitológica de Medusa, severamente punida por Atena, a deusa virgem, pela perda de sua pureza. A história de horror é protagonizada por Mariana, que se esforça para manter a aparência de uma mulher perfeita para a sociedade, mas chegará o dia em que fará tudo ser diferente.

Anita Rocha da Silveira é diretora e roteirista do premiado Mate-me Por Favor (2015), filme de horror que investiga os desejos de adolescentes numa cidade assombrada por assassinatos em série. Nas realizações em curta-metragem, dirigiu e roteirizou O Vampiro do Meio-dia (2008), Handebol (2010) e Os Mortos Vivos (2012), esse último selecionado para a Quinzena em 2012. É possível assistir aos curtas no Vimeo da diretora.

Medusa é o novo longa-metragem de Anita Rocha da Silveira. Imagem: Divulgação

Coproduções e América Latina

Três coproduções brasileiras estão entre as selecionadas para a Quinzena dos Realizadores deste ano. El Empleado y El patrón, do uruguaio Manuel Nieto Zas, é coproduzido pela Vulcana Cinema e Sancho&Punta, e Murina, da croata Antoneta Alamat Kusijanović, com Rodrigo Teixeira, da RT Features, na coprodução.

Somando ao Brasil, outras produções da América Latina participam da seleção com curtas-metragens. Sebastián Schjaer apresenta El Espacio Sideral e Matías Piñeiro leva Sycorax de Lois Patiño, ambos argentinos. A lista completa dos selecionados está no site do evento.