O Coletivo Vermelho, formado por diretoras e roteiristas brasileiras, realiza um ciclo de debates para discutir a representação e atuação da mulher no audiovisual. Quem tem medo das mulheres no audiovisual? acontece no dia 17/03, na cidade de Campinas (SP), e nos dias 19 e 20/03 em São Paulo (SP).

Caru Alves de Souza, Iana Cossoy Paro, Lillah Halla, Manoela Ziggiatti e Moara Passoni inspiraram-se na rede internacional Film Fatales para criar o Vermelho em 2014. O objetivo é não apenas levantar questionamentos e apontar as problemáticas de gênero no audiovisual brasileiro, mas, principalmente, compartilhar ideias e estimular propostas de fomentação da participação feminina no audiovisual.

“Logo no início percebemos que era impossível seguir com nossas pesquisas sem entender a história do feminismo e os pensamentos que envolvem as reflexões de gênero. A partir de então, passamos a ter reuniões que não eram pautadas necessariamente por temáticas ligadas ao audiovisual, e sim voltadas para nossa formação, que está em processo”, explicaram as fundadoras do coletivo em entrevista ao Mulher no Cinema.

coletivovermelha

Durante o ciclo Quem tem medo das mulheres no audiovisual?, seis mesas de debate gratuitas convidam o público a discutir a participação das mulheres negras no cinema brasileiro, políticas públicas e leis de incentivo, como também a estereotipação de gêneros reproduzidos pelo audiovisual. As cineastas Tata Amaral e Renata Martins, a diretora de fotografia Helô Passos, a montadora Cristina Amaral e a produtora Debora Ivanov, diretora colegiada da Agência Nacional de Cinema (Ancine), são algumas das mulheres que compõem as mesas.

Veja mais: Cinema negro no Brasil é protagonizado por mulheres, diz pesquisadora

Disparidade de gênero no audiovisual é tema de encontro no Rio

Programação

17/03 – Campinas (MIS)

15h: Nem príncipes, nem princesas: o impacto da produção audiovisual para crianças na manutenção ou transformação dos estereótipos de gênero.
Provocadora: Vanessa Fort, coordenadora do ComKids
Debatedoras:
> Gabriela Romeu, jornalista, documentarista e idealizadora do projeto Infâncias
> Jane Felipe, professora do Grupo de Estudos de Educação Infantil e Infância, GEIN, da UFRGS
> Renata Martins, roteirista da série vencedora do Emmy Kids Awards 2013 “Pedro e Bianca”

19h: Olhar feminino: isso existe?
Provocadora: Karla Bessa, Núcleo de Estudos de Gênero Pagu – Unicamp
Debatedoras:
> Tata Amaral, diretora e produtora
> Marina Fuser, socióloga e doutoranda em Estudos de Gênero na Universidade de Sussex, na Inglaterra
> Renata Gomes, doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e professora no Bacharelado Interdisciplinar em Cultura, Linguagens e Teconologias Aplicadas – BICULT, na UFRB – BA

19/03 – São Paulo – MIS Auditório (172 lugares)

15h30: Perspectivas de Transformação: políticas públicas, mídia e sociedade civil
Provocadora: Laura Capriglione, membro do coletivo Jornalistas Livres, focada na cobertura de Direitos Humanos e Sociais
Debatedoras:
> Débora Ivanov, advogada e produtora de cinema e televisão
> Daniela Capelato, produtora, roteirista e curadora
> Larissa Fulana de Tal – realizadora no TELA PRETA, coletivo de cinema negro. Dirigiu os filmes “Lápis de Cor” (2014) e “Cinzas (2015)”
> Nilcea Freire – Atual representante da fundação Ford no Brasil, com foco em minorias étnicas, foi ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres entre 2004 e 2011

19h30: A mulher negra no audiovisual brasileiro
Provocadora:
Wania Sant’Anna, consultora para o Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça e Subcomissão de Diversidade da Petrobras. Ativista feminista e antirracista
Debatedoras:
> Yasmin Thainá, diretora do curta “Kbela”, escritora e roteirista
> Viviane Ferreira, cineasta, advogada e sócia da Odun Formação e Produção – SP
> Janaína Oliveira, Professora de História na IFRJ, pesquisadora do cinema negro e coordenadora do Fórum Itinerante de Cinema Negro (FICINE) – RJ)

20/03 – São Paulo – MIS Auditório LabMIS (64 lugares)

15h30: Roteiro e gênero: a criação de personagens femininos e a autoria feminina
Provocadora: Lucia Monteiro, doutora em estudos cinematográficos pela Universidade Sorbonne Nouvelle Paris 3 e pela Universidade de São Paulo
Debatedoras:
> Gabriela Amaral Almeida (roteirista e diretora)
> Renata Martins (diretora e roteirista, dirigiu a websérie “Empoderadas” e foi uma das roteiristas da série “Pedro & Bianca”)
> Renata Correa (roteirista e escritora, autora do livro Vaca e Outras Moças de Família – Ed. Patuá), atuou como roteirista em diversas emissoras de tv como MTV, Globo e Discovery)

19h30: Trabalhos de meninas e meninos: um set de filmagem é o reflexo de uma sociedade machista?
Provocadora:
Flavia Biroli (professora da UnB, pesquisadora do Demodê – Grupo de pesquisa sobre democracia e desigualdades, autora de inúmeros livros, entre eles “Feminismo e política”, Boitempo editorial)
Debatedoras:
> Heloisa Passos (diretora de fotografia)
> Maria Tereza Urias (integrante do coletivo audiovisual Tela Suja Filmes)
> Marcia Rangel Candido, pesquisadora associada do Grupo de Estudo Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA) e do Laboratório de Estudos de Midía e Esfera Pública (LEMEP)
> Cristina Amaral, montadora, premiada em vários Festivais de Cinema Brasileiro – Gramado, Brasília, entre outros

Os debates acontecem no Museu da Imagem e do Som de Campinas (Rua Regente Feijó, 859) e de São Paulo (Avenida Europa, 158). A entrada no local do evento está sujeita à lotação e, na capital paulista, as senhas começam a ser distribuídas com uma hora de antecedência.

Mais informações sobre o ciclo Quem tem medo das mulheres no audiovisual? e demais ações do coletivo, acesse o site do Vermelha e também sua página no Facebook.