O que é a Ancine e qual a sua importância para o cinema brasileiro

O que é a Ancine e qual a sua importância para o cinema brasileiro


A Ancine, a Agência Nacional do Cinema, está na mira do governo de Jair Bolsonaro. Estão sob ameaça quase 30 anos de uma indústria que vive um dos pontos altos de sua produtividade – em termos criativos e econômicos. O início desse ciclo é marcado pela Retomada, período em que o cinema brasileiro retornou à atividade após a paralisação provocada pela extinção da Embrafilme, em 1990. Essa recuperação foi proporcionada pela criação de mecanismos de financiamento público com a promulgação da Lei de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet, em 1991, e da Lei do Audiovisual, em 1993.

As leis, sancionadas nos governos de Fernando Collor e de Fernando Henrique Cardoso, respectivamente, regulamentam formas de captar e canalizar recursos provenientes de deduções fiscais para projetos culturais e audiovisuais. A Ancine foi criada quase uma década depois, em 2001, com o objetivo de regular o setor em desenvolvimento. A agência recebeu como atribuições o fomento, a regulação e a fiscalização do mercado cinematográfico e audiovisual brasileiro.  

Como a Ancine atua no mercado?

Em termos práticos, a atuação acontece em duas frentes: no mercado interno, expandindo a oferta e demanda por conteúdos, fortalecendo produtoras nacionais e incentivando o investimento privado; e no mercado externo, apoiando coproduções e a participação em festivais internacionais. Para o fortalecimento das produtoras brasileiras, cabe à Ancine intermediar indiretamente os mecanismos de incentivo fiscal regidos pelas leis Rouanet e do Audiovisual. Através desse dispositivo legal, é permitido aos contribuintes, pessoas físicas ou jurídicas, o abatimento ou isenção de determinados tributos desde que os recursos sejam direcionados para obras audiovisuais de sua escolha. A Ancine fiscaliza o desdobramento dos trâmites e o processo de realização do projeto.

A atuação no fomento direto do mercado acontece por meio de editais de seleção pública, como o Prêmio Adicional de Renda e o Programa Ancine de Incentivo à Qualidade do Cinema Brasileiro. Os projetos vencedores recebem verbas de fundos de investimento, sendo um dos mais importantes o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). A principal fonte de receita do FSA é a CONDECINE (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional), arrecadação própria do setor audiovisual paga por produtoras, serviços de streaming, canais de TV aberta e por assinatura.

()Gráfico retirado do Informe de Salas de Exibição de 2018 divulgado pelo OCA – Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual.

Outra importante ação indireta da Ancine é o gerenciamento de linhas de crédito para fortalecer a criação, modernização, manutenção e democratização no acesso a salas de cinema no Brasil. Com a extinção da Embrafilme, no governo de Fernando Collor, o número de salas reduziu drasticamente: de mais de 3 mil na década de 1970, caiu para pouco mais 1 mil em 1995.

Esse quadro de declínio começou a reverter em 1997, período pós Retomada. O crescimento foi impulsionado pelo programa Cinema Perto de Você, instituído por lei em 2012 por Dilma Rousseff. Em 2018, o número de salas de exibição atingiu o maior nível da série histórica totalizando 3.356 salas. O recorde anterior é de 1975, com 3.276. A concentração de salas de salas na região Sudeste (52,6%) e em munícipios de mais de 500 mil habitantes (56,7%) se mantém. Entretanto, cabe destacar a expansão nas regiões Norte e Nordeste, que apresentaram nos últimos sete anos crescimento de 101,8% e 93,0%, respectivamente.

A evolução do mercado cinematográfico

É possível destacar cinco marcos regulatórios que transformaram o cinema brasileiro nos últimos 28 anos. O primeiro é a instituição da Lei Rouanet e da Lei do Audiovisual, seguido pela criação da Ancine, dos Fundos de Financiamento da Indústria Cinematográfica Nacional (Funcines) e da CONDECINE, que permitiram a reerguida e reestruturação de empresas do setor. O terceiro marco é a criação do FSA, que possibilitou o desenvolvimento de diferentes atividades, desde a produção e comercialização até a construção de salas de cinema.

O quarto marco foi a criação da Lei da TV Paga, em vigor desde 2012, que estabeleceu o mínimo de 3h30 de exibição – em horário nobre – de conteúdos produzido no Brasil, sendo a metade desse material feito obrigatoriamente por empresas independentes. Dessa forma, criou-se uma demanda por produções nacionais e possibilitou o desenvolvimento e visibilização de programas como “Peixonauta“, “O Show da Luna” e “Irmão do Jorel” na TV e em serviços de streaming. Já em 2015, entrou em vigência o programa Brasil de Todas as Telas, que atende a demandas de produção e promoção do desenvolvimento, englobando projetos, roteiros, capacitação e distribuição, sendo financiado pelo FSA. 


Segundo o estudo da Fundação Dom Cabral em parceria com o Sebrae e a Apro (Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais), as empresas do segmento cresceram 129% entre 2007 e 2014. Além disso, o total de horas produzidas disparou 536% entre 2008 e 2014, impulsionado pelo aumento de 318% na criação de séries originais brasileiras. 

A pesquisa evidencia o crescimento da participação do setor audiovisual na economia do país. O valor líquido produzido passou de 0,4%, em 2010, para 0,44%, em 2014. Levantamentos da Ancine, realizados pelo Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual (OCA), mostram que o setor foi responsável por gerar R$ 24,5 bilhões em 2014, crescendo em mais de 190% sua participação na economia entre 2007 e 2014. Em 2016, foram registrados 91,8 mil empregos diretos, o que representou 0,20% da economia.

O Estado deve investir em cinema?

Atualmente, a principal fonte de investimento do setor vem do FSA com a arrecadação da CONDECINE. A partir de 2013, o fundo disparou seu crescimento e superou os recursos captados por incentivos fiscais. Em 2016, foram investidos mais de R$ 600 milhões do FSA no cinema e audiovisual contra R$ 300 milhões provenientes de captação, segundo a Ancine. Estima-se que cada R$ 1 de recurso público investido gere uma receita de bilheteria direta de R$ 2,09 ou de R$ 3,70, contabilizando efeitos indiretos.


Dados de 2013 mostram que a arrecadação direta de impostos do setor atingiu a marca de R$ 2,1 bilhões, números que equiparam a posição do audiovisual a setores como os de turismo e esportes. O crescimento médio anual manteve-se nos últimos 10 anos acima de 8%, mesmo em períodos de instabilidade econômica. Como consequência, os números de produções brasileiras lançadas em salas de cinema atingiram marcas históricas em 2017, totalizando 160 títulos – contra 14 lançamentos nacionais em 1995.

O investimento público e incentivos fiscais não são exclusividade do setor do cinema e do audiovisual, e nem mesmo do Brasil. A Associação dos Servidores da Ancine (Aspac), por meio de uma carta aberta, ressaltou que “os incentivos destinados à indústria audiovisual representaram apenas 0,1% de todos os incentivos fiscais concedidos no ano de 2017”. Além disso, a renúncia fiscal traz retornos diretos ao contribuinte que inviste em cinema: “para cada R$ 1 aplicado em obras audiovisuais, R$ 1,59 volta para a economia brasileira”.

Imagem em destaque do filme “Bingo – O rei das manhãs” (2017), de Daniel Rezende. O projeto foi aprovado pela Ancine e pode ser consultado online.

O que diz o legado da atriz Ruth de Souza sobre meu racismo velado

O que diz o legado da atriz Ruth de Souza sobre meu racismo velado


“Eu me chamo Ruth e eu espero realmente um dia fazer um papel na vivência de gente, sem a marca de ser negro, branco, azul, cor de rosa. E quem sabe eu algum dia consiga?”. A atriz Ruth de Souza que fala no depoimento cedido ao Acervo Digital de Cultura Negra (vídeo abaixo) é a mesma pequenininha que olhou para uma pintura de Debret com índios, brancos e negros quando alguém lhe apontara: “negro tem mente atrofiada”.

(mais…)

O racismo apaga, a gente reescreve: conheça a mulher negra que fez história no cinema nacional

O racismo apaga, a gente reescreve: conheça a mulher negra que fez história no cinema nacional

Tags:

– Professor, quem são as cineastas negras brasileiras? 
– (…) Silêncio (…)

A cada dia que passa, a palavra privilégio tem sido utilizada para ilustrar os lugares sociais estabelecidos desde então; poder viver em um mundo onde não há preocupação com a etnia das referências, é um privilégio. Ser universitária negra e estudar ao longo de quatro anos e não ter nenhuma artista, técnica, intelectual negra que tenha construído narrativas e pensamento, é um prejuízo.

(mais…)

Animação brasileira completa 100 anos de história

Animação brasileira completa 100 anos de história


Uma charge animada sobre a situação bélica na Europa é considerada o marco inicial da animação brasileira. “O Kaiser” (1917), de Álvaro Marins (Seth), estreou há exatos 100 anos nas telas do Cine Pathé, no Rio de Janeiro. Do curta, restou um único fotograma que mostra o imperador Guilherme II, da Alemanha, sendo engolido por um globo terrestre. Oito animadores brasileiros tomaram a imagem como inspiração e realizam uma reanimação para o documentário “Luz Anima Ação” (2013), de Eduardo Calvet.

(mais…)

A trilogia do Recôncavo Baiano de Guido Araújo

A trilogia do Recôncavo Baiano de Guido Araújo


O movimento cinematográfico na Bahia das décadas de 1970 e 1980 não seria o mesmo sem Guido Araújo. Ele foi um dos membros do Coletivo Moacyr Fenelon na era pré-Cinema Novo e assumiu a frente de resistência à ditadura militar ao criar a Jornada de Cinema da Bahia. Enquanto cineasta, assinou documentários integrantes da Caravana Farkas (1960-1970), filmando a desconhecida cultura popular.

(mais…)

Pin It on Pinterest