Entre os dias 17 e 30 de outubro, os mais de 300 títulos selecionados para a 43ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo ocupam as salas de exibição, espaços culturais e locais públicos da capital paulista. Na programação, destacam-se 65 produções e coproduções brasileiras, entre longas e curtas-metragens, clássicos e contemporâneos.

Os filmes integram as seções de Apresentação e Programas Especiais, Competição Novos Diretores, Realidade Virtual e Mostra Brasil. Um dos destaques brasileiros da Mostra de São Paulo 2019 é “A Vida Invisível”, de Karim Aïnouz, vencedor do prêmio máximo da mostra Um Certo Olhar dos Festival de Cannes 2019.

Além do novo longa de Aïnouz, outros oito filmes brasileiros têm exibições especiais. São eles: “Amazônia Sociedade Anônima”, de Estêvão Ciavatta; “As Protagonistas”, de Tatá Amaral; “Desarquivando Alice Gonzaga”, de Betse de Paula; “Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, de Bárbara Paz; “O Invasor”, de Beto Brant; “Tuã Ingugu (Olhos D’água)”, de Daniela Thomas; “Turma da Mônica: Laços”, de Daniel Rezende e “Madame Satã”, primeiro longa de Karim Aïnouz.

Mostra de São Paulo 2019 promove exibição especial de “Madame Satã” (2002), primeiro longa de Karim Aïnouz. Imagem: Divulgação

História, memória e experiência

Na vão-livre do Masp, acontecem as projeções de dois filmes brasileiros que passaram pela Mostra em edições anteriores: “Slam: Voz de Levante”, de Tatiana Lohmann e Roberta Estrela D`Alva, e “Todas as Canções de Amor”, de Joana Mariani. A seção exibe também “Macaco Feio… Macaco Bonito” e “Frivolitá”, curtas-metragens realizados nos primórdios do cinema de animação nacional, com trilha sonora ao vivo.

O cineasta Luiz Rosemberg Filho (1943 – 2019) recebe uma homenagem da Mostra de São Paulo 2019 em forma de retrospectiva, com três obras selecionadas: “O Jardim das Espumas”, “Crônica de um Industrial” e “Bobo da Corte”. Uma das marcas mais fortes de sua produção – “pedregosa e encantada”, como define Inácio Araujo – são as questões políticas.

A tecnologia, criando novos diálogos com o cinema, expande as maneiras de olhar e convida cineastas a explorar novos formatos. Os curtas “A Linha”, de Ricardo Laganaro, “Fogo na Floresta”, de Tadeu Jungle, e “Crianças Não Brincam de Guerra”, de Fabiano Mixo, estão na seção Realidade Virtual. O filme de Laganaro foi vencedor do prêmio VR Experience no Festival de Veneza 2019.

Mostra Brasil e Novos Diretores

A Mostra Brasil apresenta este ano uma seleção de 38 títulos (confira a lista completa no site da Mostra). Entre os destaques estão “O Juízo”, de Andrucha Waddington, com roteiro assinado por Fernanda Torres, e a exibição de um episódio da série “As Protagonistas”, de Tata Amaral, que conta a história do audiovisual do país a partir da contribuição das cineastas mulheres.

As produções nordestinas marcam forte presença no festival. Destaque para os cearenses “Pacarrete”, de Allan Deberton, premiado nos festivais de Gramado, Vitória e FAM, e “A Jangada de Welles”, de Petrus Cariry e Firmino Holanda. Alguns dos pernambucanos na seleção são “Acqua Movie”, de Lírio Ferreira, “Flores do Cárcere”, de Paulo Caldas e Bárbara Cunha, e “Beco”, de Camilo Cavalcante, este último na Competição Novos Diretores.

O carioca “Sem Seu Sangue”, primeiro longa de Alice Furtado, em competição, e o brasiliense “Indianara”, de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa, estiveram nas mostras independentes do Festival de Cannes, Quinzena dos Realizadores e ACID, e estreiam na Mostra. Outro filme de destaque internacional é “Pacificado”, de Paxton Winters, ganhador do prêmio máximo do Festival de San Sebastián. A trama se relacionada às ocupações das UPPs nas favelas do Rio e está na Competição Novos Diretores.

O recente contexto político, econômico e social brasileiro é tema recorrente entre as produções. Entre os documentários, estão “Amazônia Sociedade Anônima”, de Estêvão Ciavatta; “Abismo Tropical”, de Paulo Caldas; “Chão”, de Camila Freitas; “O Paradoxo da Democracia”, de Belisario Franca e “Outubro”, de Maria Ribeiro e Loiro Cunha. Nas ficções, destacam-se “Três Verões”, de Sandra Kogut, e “Breve Miragem de Sol”, de Eryk Rocha.

Sessões gratuitas no Theatro Municipal

Entre os dias 18 e 20 de outubro, o Theatro Municipal recebe uma programação gratuita de filmes brasileiros da Mostra em parceira com a Spcine. Serão quatro sessões com ingressos distribuídos na Central da Mostra na véspera das exibições ou na bilheteria do Theatro uma hora antes.

“A Vida Invisível”, de Karim Aïnouz, recebeu o prêmio máximo da mostra Um Certo Olhar em Cannes 2019. Imagem: Divulgação

“A Vida Invisível” abrirá as exibições no local na sexta-feira (18), às 20h30. No sábado (19) e no domingo (20), nas sessões vespertinas, às 16h, a programação apresenta, respectivamente, “Abe”, de Fernando Grostein Andrade – protagonizado por Seu Jorge e Noah Schnapp (Stranger Things) – e “Turma da Mônica: Laços”, de Daniel Rezende.

A noite de sábado, às 21h, é reservada para “Três Verões”, de Kogut, protagonizado por Regina Casé. O encerramento acontece no domingo, às 20h30, com “Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, de Bárbara Paz, filme vencedor do prêmio da crítica independente no Festival de Veneza.

Doses de Brasil na abertura e encerramento

Cena de “Wasp Network”, de Olivier Assayas, adaptado do livro de Fernando Morais e com Wagner Moura no elenco. Imagem: Divulgação

O filme de abertura da Mostra de São Paulo deste ano é “Wasp Network”, adaptado por Olivier Assayas do livro-reportagem “Os Últimos Soldados da Guerra Fria”, de Fernando Morais. O filme, coprodução França/Brasil/Espanha/Bélgica, é protagonizado por Penélope Cruz e traz no elenco Wagner Moura em papel de destaque. Entre os produtores, está Rodrigo Teixeira, da RT Features.

No encerramento, o longa “Dois Papas”, produção do serviço de streaming Netflix, é dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles, codiretor do clássico “Cidade de Deus”. A trama, baseada em fatos, acompanha as mudanças drásticas no Vaticano e é estrelada por Jonathan Pryce e Anthony Hopkins.

A sessão de abertura acontece nesta sexta-feira (18), às 16:30, no Cinearte 1. A de encerramento, no dia 30, quarta-feira, às 19h30, no Auditório Ibirapuera Oscar Niemeyer. Os ingressos para a Mostra de São Paulo 2019 custam R$ 20 (inteira) de segunda a quinta e R$ 24 (inteira) às sextas e aos finais de semana. Na Central da Mostra são vendidos pacotes promocionais.

A programação completa, com horários e locais das exibições, está disponível para download em PDF (por filme ou por dia) e no site. Imagem em destaque do filme “Pacarrete”, de Allan Deberton.

Leia mais

Comentrários

comentários

Pin It on Pinterest

Share This