Há controvérsias sobre o início da história do futebol no Brasil. Sabe-se de Charles Miller, que em 1895 trouxe consigo da Inglaterra as primeiras bolas, participou da primeira partida oficial e popularizou o esporte entre a elite. Sabe-se também que, já em meados da década de 1870, marinheiros britânicos, franceses e holandeses trocavam passes informais em solo brasileiro.

Esses registros, no entanto, têm algo em comum: independente de classe social, os primeiros jogadores, até o que se sabe, foram todos homens. As primeiras referências “futebol feminino” surgem décadas depois, nos anos 1920, em espetáculos circenses (isso mesmo!). Mulheres com bolas nos pés não eram consideradas jogadoras, mas vistas como “artistas performáticas”. Não eram consideradas partidas, e sim espetáculos.

Anúncio de circo dos anos 1920/30 e mulheres do futebol. Créditos: Acervo Museu do Futebol

Proibição e desigualdades históricas

O jogo de futebol entre mulheres começa a ganhar popularidade na periferia, mas se mantém distante dos clubes, ligas e da mídia. A modalidade era considerada “violenta e ideal apenas para homens“, mas, apesar disso, foram realizados em 1940 os primeiros jogos entre mulheres. A repercussão das mulheres em campo foi imediatamente censurada, ocasionando a proibição da prática no ano seguinte.

O Decreto-Lei 3.199/1941, Art. 54, determinou: “às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza“. Algo mais absurdo acontece em 1965, já na Ditadura Militar, quando o texto é novamente publicado e, desta vez, cita especificamente a proibição do futebol como tentativa de punir as mulheres que jogavam futebol clandestinamente.

Em 1951, alunas secundaristas em São Paulo: Mirtes Marcon, Jandira Cassiano, Aparecida Camargo, Vera Ceschin, Cidinha Moraes e Renê Romanholli; agachadas, Dirce Mineirinha, Dirce Aleixo, Claunice Marcon, Ditinha Tavares e Isa Martarello. Créditos: Centro de Referência do Futebol Brasileiro – Museu do Futebol

Apenas em 1979, no início do processo de redemocratização, que a lei que proíba a prática do futebol entre mulheres foi revogada. Mais quatro anos se passaram para que o futebol feminino fosse regulamentado e, a partir de então, criadas as primeiras escolas e campeonatos.

A primeira Copa do Mundo Fifa de Futebol Feminino foi realizada em 1991 e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) assumiu a seleção brasileira composta por mulheres, que seguem sem receber grandes investimentos. Em 2018, gastou-se 1,5 vezes mais com pessoal do que com o futebol feminino, que recebeu pouco mais de 6% da receita líquida anual. A seleção participou de todas as edições da Copa do Mundo, a oitava em 2019, mas essa foi a primeira vez que jogos foram transmitidos em rede aberta no Brasil.

Demonstrações Financeiras 2018 da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Crédito: Reprodução

Neste ano, Marta, a rainha do futebol, entrou para a história como a maior artilheira de todas as Copas (sem distinção de gênero) e fez um discurso histórico convocando as mulheres para transformarem o futebol. Eleita seis vezes a melhor do mundo, a jogadora está sem contrato com empresas do ramo desde julho de 2018. O motivo: o valor estava muito abaixo dos acordos fechados no futebol masculino. Nesta Copa, entrou em campo com uma chuteira que pede igualdade de gênero.

Futebol feminino em documentário

Após esse breve apanhado histórico (há muito mais detalhes neste infográfico integrativo e no Museu do Impedimento), o Assiste Brasil buscou reunir alguns documentários que discutem a presença feminina no futebol brasileiro, dentro e fora de campo. São curtas e médias-metragens, produzidos para o cinema, televisão, plataformas digitais, meios institucionais e produções universitárias, que retratam tanto o contexto social quanto fazem o registro histórico das personagens.

Se comparada à produção cinematográfica focada no futebol masculino e os variados enfoques, como torcidas organizadas, histórias de torcedores e cinebiografias das grandes estrelas, são poucos os olhares que se voltam para o futebol protagonizado por mulheres. A lista poderá ser periodicamente atualizada para acréscimo de novos filmes e sugestões são bem-vindas. Agora, fique com a nossa seleção:

Minas do Futebol

“Em 2016, por não existir campeonatos de futebol da categoria sub-13 feminino em São Paulo, a equipe do A.D. Centro Olímpico propôs participar de um campeonato masculino, a Copa Moleque Travesso. Indo contra a expectativa da maior parte das equipes, o time foi se achando e passou da fase de grupos para as semifinais, até chegar à final”. Direção de Yugo Hattori.

Futebol Feminino, uma história invisível

“Quando a falta de apoio não está em casa, a garota que joga futebol no Brasil enfrenta piadas na escola e nos campos, onde só os meninos dominam a bola”. A produção foi apresentada como uma reportagem do programa Caminhos da Reportagem, na TV Brasil, mas é evidente a interação entre jornalismo e cinema. A direção e roteiro são assinados por Bianca Vasconcellos, com reportagem de Aline Beckstein e Eduardo Goulart de Andrade.

Mulheres do Progresso: muito além da várzea

O curta-metragem apresenta as personagens Márcia, Sindy, Tianinha e Sandra, mulheres que vivem em diferentes comunidades da periferia de São Paulo e têm em comum o amor e dedicação pelo futebol de várzea. Direção de Jamaikah Santarém. O filme foi exibido em 2018 na capital paulista e no CineFoot extraordinário 2019. Até o momento não foi disponibilizado online.

Eu, Jogadora

“O que pensa a primeira mulher a ter sido técnica da seleção brasileira de futebol feminino? O que sentem duas atletas olímpicas que abriram caminho para atual geração? E quais são os sonhos de duas revelações da modalidade?”. Direção de Edson de Lima, Cristiano Fukuyama e Luiz Nascimento.

O Futebol da Gente – Mulheres

O terceiro episódio da série “O Futebol da Gente”, produzido pelo Museu do Futebol, apresenta o resultado de mais de 70 entrevistas sobre futebol com mulheres. O canal disponibiliza ainda o ciclo debates sobre futebol feminino, o primeiro encontro de pesquisadores sobre Futebol e Mulheres na América Latina e duas entrevistas, com Marta e Cristiane, sobre suas trajetórias.

Joga Igual Mulher

“O documentário conta a trajetória e as dificuldades das mulheres em profissionalizar-se no futebol no Brasil. Contendo depoimentos não só de jogadoras profissionais, mas também de jornalistas esportivas, uma arbitra, uma técnica, torcedoras e jogadoras amadoras”. Direção de Diego Urias.

Geração Peneiras

“Lançado às vésperas da Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2019, o curta documental ‘Geração Peneiras’ acompanha o sonho de duas meninas que não medem esforços para um dia, quem sabe, vestir a ‘amarelinha'”. Direção de Bárbara Bárcia, Claudia Alves e Fernanda Prestes, do coletivo Fluxa.

Futebolistas

“‘Futebolistas’ relata a história de cinco mulheres que jogam futebol com um único sentimento em comum, o amor pela modalidade. O documentário levanta discussões como o preconceito com a mulher no esporte, a falta de visibilidade na mídia e a valorização do futebol feminino no Brasil. A partir de relatos de atletas do time de futebol feminino de Colombo, no Paraná, ‘Futebolistas’ promove uma reflexão sobre o espaço da mulher no futebol”. Direção de Thais Travençoli e Patricia Castro.

Mulheres no Futebol

“Em um momento em que a Seleção Brasileira feminina se prepara para entrar em campo em mais uma Copa do Mundo da Fifa, um minidocumentário para reforçar o debate sobre a presença das mulheres em um ambiente, até então, considerado machista: o futebol”. O minidocumentário foi realizado em parceria pela Vox e o SporTV.

Leia mais

Comentrários

comentários

Pin It on Pinterest

Share This