O grande vencedor da mostra competitiva Horizonte (Orizzonti), destinada a novas tendências cinematográficas, foi o filme do diretor pernambucano Gabriel Mascaro, Boi Neon. Ele levou o prêmio especial do júri na segunda mais importante competição do 72º Festival de Veneza — um dos principais eventos de cinema do mundo.

Em sua estreia mundial em Veneza, a produtora Rachel Ellis descreveu a reação do público em uma publicação no Facebook. Segundo ela, o longa foi recebido por “aplausos de pé e duas vaias”. A imprensa internacional também se pronunciou sobre a nova produção do cineasta. Na Variety, crítico elogiou o filme brasileiro, destacando que “retrata um mundo onde velhas tradições (como as vaquejadas) estão escurecendo junto com certas ideias de masculinidade”. O Hollywood Reporter também publicou uma crítica em seu site.

O longa-metragem de Mascaro representou o Brasil na mostra ao lado de mais duas produções brasileiras: o filme Mate-me Por Favor, de Anita Rocha da Silveira; e o curta Tarântula, de Marja Calafange e Aly Muritiba. Ao todo, participaram da disputa 33 curtas e longas de diversos países, entre eles Israel, Estados Unidos, China, Irã e Índia.

Sobre “Boi Neon”

Nos bastidores das vaquejadas, Iremar e um grupo de vaqueiros preparam os bois antes de soltá-los na arena. Levando a vida na estrada, o caminhão que transporta os bois para o evento é também a casa improvisada de Iremar e seus colegas de trabalho: Zé, Negão, Galega (e sua filha Cacá).

O cotidiano é intenso e visceral, mas algo inspira novas ambições em Iremar: a recente industrialização e o pólo de confecção de roupas na região do semi-árido nordestino. Deitado em sua rede na traseira do caminhão, sua cabeça divaga em sonhos de lantejoulas, tecidos requintados e croquis. O vaqueiro esboça novos desejos.

No elenco do longa estão Juliano Cazarré (de Serra Pelada, A Festa da Menina Morta, série Alice e novela Avenida Brasil), como protagonista; Vinícius de Oliveira (mundialmente conhecido por sua atuação em Central do Brasil, ao lado de Fernanda Montenegro); e Maeve Jinkings (de O Som ao Redor, Falsa Loura e Amor Plástico e Barulho).

Boi Neon também participa do Festival de Toronto, no Canadá, e do Festival do Rio, onde será exibido pela primeira vez em telas brasileiras. O longa é uma coprodução Brasil, Uruguai e Holanda.

Comentrários

comentários

Pin It on Pinterest

Share This